Nova Sepetiba ganha escolas

Prefeitura faz choque de educação no bairro da Zona Oeste que contará com oito unidades

Rio - Com apenas três unidades escolares do município, Nova Sepetiba será o próximo bairro carioca a ganhar um complexo educacional da prefeitura. O primeiro foi o conjunto de favelas da Maré, que já está com as estruturas em obras. O novo campus terá oito escolas, sendo três Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDIs), três primários (1º ao 6º ano do Ensino Fundamental) e dois ginásios (7º ao 9º ano do Ensino Fundamental). A construção faz parte do projeto de ter 35% dos alunos em turno único — sete horas de aulas —, até o final de 2016. Atualmente, 20,7% dos estudantes da rede municipal estão inseridos neste modelo de ensino.

Segundo a secretária municipal de Educação, Helena Bomeny, não basta, no entanto, apenas aumentar a carga horária. “É importante desenhar uma escola que utilize bem o tempo adicional e que permita o trabalho individual ao lado do que é feito coletivamente. Esse modelo é fundamental para seguirmos o passo dos países que mais avançaram em educação nas últimas décadas”, afirmou ela.

O campus de Nova Sepetiba tem capacidade para cinco mil crianças — 1,2 mil de creche e pré-escola, 2,160 mil de primário e 1,680 mil de ginásio. A fábrica que será responsável pela construção deste complexo e de outros na mesma área (Santa Cruz, Paciência, Guaratiba e Pedra de Guaratiba) foi inaugurada no bairro, em novembro. No total, serão 40 novas unidades nesta região da Zona Oeste.

Para se ter agilidade na construção, estão sendo usadas estruturas pré-moldadas. Com isso, cada unidade levará, em média, apenas dez meses para ficar pronta. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, as paredes têm painéis de vedação termoacústicos e todos os ambientes serão climatizados. As coberturas, rampas e escadas são metálicas e com acessibilidade.

A primeira fábrica de escolas foi inaugurada na Ilha do Governador, em outubro. É nela que serão produzidas 24 unidades, sendo 16 do Complexo da Maré, numa área próxima à Linha Vermelha. As demais vão ficar Madureira, Bonsucesso, Pavuna, Jacaré, Maria da Graça, Jacarezinho e Rocha. O investimento para o conjunto de favelas é de R$ 236 milhões.

A segunda fábrica fica em Vila Kennedy, e será responsável pela construção de 28 unidades. A terceira é a de Nova Sepetiba e a quarta será inaugurada em Vargem Grande. “O programa considera, inclusive, a evolução demográfica do Rio, evitando assim a construção de unidades que posteriormente ficariam ociosas”, explicou a secretária.

Quatro fábricas vão erguer 108 colégios pré-moldados

FÁBRICA ILHA DO GOVERNADOR

Vai construir 24 unidades, sendo dez Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDI), nove primários e cinco ginásios. O Complexo da Maré ficará com 16 dos equipamentos de ensino previstos: cinco EDIs, oito primários e três ginásios. Os outros bairros beneficiados são Madureira, Bonsucesso, Pavuna, Jacaré, Maria da Graça, com um EDI cada, Jacarezinho, com um ginásio, e Rocha, com um EDI, um ginásio e uma escola.

FÁBRICA VILA KENNEDY

Inaugurada em novembro, será responsável pela construção de 28 unidades educacionais, sendo 16 EDIs, sete primários e cinco ginásios. Campo Grande terá quatro EDIs e um primário; Cosmos, cinco EDIs, dois primários e um Ginásio; Inhoaíba, três EDIs, dois primários e três ginásios. Já o bairro de Santíssimo vai ganhar um EDI, dois primários e um ginásio e Realengo, três EDIs.

FÁBRICA NOVA SEPETIBA

Vai contemplar Paciência, com um EDI e um primário; Sepetiba, com cinco EDIs, seis primários e três ginásios; Santa Cruz, com quatro EDIs, um primário e um ginásio. O bairro de Guaratiba terá seis EDIs, cinco primários e três ginásios, e Pedra de Guaratiba mais dois EDIs, um primário e um ginásio. No total, a fábrica vai construir 40 unidades.

FÁBRICA VARGEM GRANDE

Ainda sem data prevista para ser inaugurada, vai fabricar 16 unidades. Em Curicica vão ficar quatro EDIs e dois primários; no Anil, três EDIs, dois primários e um ginásio. Rio das Pedras vai ganhar um EDI e dois primários, enquanto Itanhangá, um primário.

Autor: Chistina nascimento

Fonte: www.odia.com.br